Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

Juventude e violência

Apesar de uma significativa melhoria nos indicadores de crimes nos últimos anos, o Brasil é um país violentíssimo. E vários estudos têm comprovado, sistematicamente, que os jovens são as maiores vítimas da criminalidade. A escassez de políticas públicas destinadas aos jovens, um grande número de armas disponíveis (e sem controle do Estado) e o adensamento do tráfico de drogas, principalmente nas periferias das grandes cidades, são fatores que contribuem para o adensamento da vitimização juvenil. Esses ingredientes articulados respondem por altas taxas de letalidade desta população. Dados de uma pesquisa divulgada em agosto do ano passado pelo Laboratório de Análise da Violência da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (em parceria com o UNICEF, a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República e a organização não governamental Observatório de Favelas), projeta que o número de mortos na faixa etária entre 14 e 19 anos chegará a 33.504 entre 2006 e 2012, sendo que …

Mídia e segurança pública

Estamos assistindo, nos últimos tempos (e especialmente nos últimos dias) a uma verdadeira batalha de egos de policiais e advogados na apuração de crimes em São Paulo e Minas Gerais. Tudo isso, com a estimulação de uma mídia sedenta pelo espetáculo (mesmo macabro) e, em certa medida, glamourizadora da violência.
Na democracia, o crime - qualquer que seja - deveria ser tratado da seguinte forma: É papel da polícia investigar. Ponto. Dos advogados de defesa, defender seus clientes. Ponto. Do Ministério Público - acompanhar e oferecer denúncias, se for o caso. Ponto Da mídia, informar. Ponto. E da Justiça, julgar. Assim deveria ser...
Para quem gosta do tema da imprensa e segurança pública, disponibilizo um artigo de minha autoria, publicado no Observatório da Imprensa, no link abaixo:
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=354CID001

A violência que nos iguala

O Brasil vive uma guerra não declarada. Os números da violência e da criminalidade são impressionantes. O total de mortes por causas externas (que, além de homicídios, inclui também acidentes, suicídios e outras causas não naturais) provocou no país cerca de dois milhões de mortes de 1980 a 2000 — o equivalente à população de Brasília. Em 82,2% dos casos (1,7 milhões), as vítimas foram do sexo masculino e a grande maioria, jovens. A superexposição da violência na mídia, a perversidade dos criminosos que a cada dia sofisticam seus métodos encobrindo o terror do dia anterior, a banalização da vida e da morte, a ineficiência do poder público no combate e prevenção ao crime propiciam um estado de letargia coletivo, uma espécie de acomodamento covarde a espera do pior.Desde os anos de 1980 a criminalidade violenta vem crescendo, notadamente nas grandes cidades com suas imensas regiões de grande vulnerabilidade social, em virtude do adensamento do tráfico de drogas. Enquanto se dizimavam mi…

Segurança Pública: um recomeço?

Segundo reportagem do Jornal Folha de São Paulo, de 25/07/2010, o chamado PAC da Segurança Pública, lançado em agosto de 2007 pelo presidente Lula com a meta de reduzir os índices de homicídio pela metade, teve efeito quase nulo na contenção de mortes do tipo. Na maioria dos Estados (15) e no DF, o número de assassinatos aumentou.Ainda segundo a Folha, "O programa tinha como objetivo chegar a 12 homicídios por 100 mil habitantes em 2010. O número ainda está em 25 por 100 mil, mesmo índice de quando o PAC foi lançado, segundo estima o próprio governo. Para a Organização Mundial da Saúde, mais que 10 por 100 mil é violência epidêmica.""Prevê-se que, no período 2007-2012, sejam gastos R$ 6,1 bilhões com o programa, cuja face mais visível são as unidades pacificadoras que atuam em favelas do Rio."2009 terminou com um balanço pouco animador na política nacional de segurança pública. Não obstante algumas conquistas, a década de 2000-2009 foi a continuidade de um flagelo …

Bem vindos

Amigos/as,
este é um espaço destinado ao debate sobre temas variados: direitos humanos, segurança pública, violência, cidadania, política, cultura, religião.
Aqui pretendo disponibilizar algumas produções e reflexões que tenho nessas áreas e compartilhar.
Seja bem vindo(a) ao meu blog.
Robson Sávio