Uma manifestação com cheiro, cor, suor e sabor de povo


Todos têm direito de se manifestarem nas democracias. Mas, nem todos podem falar que determinada manifestação representa o povo ou os interesses populares.

Certamente, pelo seu perfil e pauta elitistas, as manifestações domingueiras não representam o conjunto da população brasileira, apesar de serem legítimas...

Pois bem: hoje fui à manifestação em defesa da democracia; contra o golpe da direita (de ontem e de sempre); na defesa de um governo legítimo; contra a parcela da justiça que só atende a Casa Grande; exigindo a ampliação de políticas sociais e afirmativas; em favor da proteção ao patrimônio nacional.

Essa, sim, é uma manifestação popular. Com povo nas ruas:


Lá, encontrei trabalhadores do campo e da cidade; profissionais liberais; desempregados, sem-teto e moradores de rua.

Encontrei militantes de movimentos sociais, pastorais, étnicos, feministas, culturais...

Encontrei com as juventudes, notadamente a juventude mais pobre, negra e sofrida. Gente alegre e lutadora, batendo seus tambores e exibindo suas faixas. Querem a ampliação dos programas sociais e de ação afirmativa e uma escola pública de qualidade, para todos e todas.

Encontrei com amigos e amigas da comunidade LGBT. Eita gente guerreira que luta contra o preconceito e a discriminação diuturnamente.

Encontrei com religiosos e religiosas de várias denominações que louvam o Cristo que vive no meio dos pobres. Que são mansos como pombas e prudentes como serpentes... (Aliás, vi uma jararaca sendo carregada por manifestantes).

Encontrei gente de partidos variados. Obviamente, partidos que têm compromisso com o Brasil e a democracia; apesar de vicissitudes que há em todos os partidos. 



Também conversei com intelectuais, pesquisadores, sindicalistas e pequenos empresários - que enxergam para além do seu bolso e seu nariz. E que pensam no país e no seu povo; não em Miami.

Encontrei com artistas famosos, não tão famosos e também artistas das ruas. 

Gente de todas as idades, etnias, cores e credos. ESSE É O POVO BRASILEIRO. Multiétnico, com suas diferenças e sua criatividade. Vida que pulsa... Gente lutadora e que não tem medo de enfrentar a vida... e as batalhas!



Se tem alguém com um carrinho de criança, com uma sacola ou um bengala, todos se dispõem a ajudar e são solidários. Todos andam no mesmo passo e compasso... Quem vai atrás não precisa ir cabisbaixo. Todos se tratam como iguais...

Se tem alguém com algum problema, todos se dispõem a ajudar. Porque a vida do povo é assim: solidariedade, partilha, alegria, suor e lágrimas. E uma cervejinha gelada, também. Porque ninguém é de ferro.

Mas, com certeza, não vi uísque e nem champanhe. Isso é bebida de gente de um outro Brasil.

Até mesmo a Polícia Militar, desta vez, está de parabéns. Fez o que se espera de uma instituição cujo dever é proteger a vida, as pessoas, as liberdades, as garantias constitucionais. E, não o patrimônio ou o direito de alguns em detrimento dos demais. 

Manifestação popular é assim: tem solidariedade, partilha, alegria. 

Tem gosto, cheiro, cor, suor e sabor de gente... 

E tudo termina com ato cultural: é MPB, samba, funk e um banho na praia da estação. Porque alegria é melhor que ódio.

Essa sim é uma manifestação do povo; com cara do povo. Expressa aquilo que o conjunto majoritário da população deseja. 

UM PAÍS DE E PARA TODOS E TODAS!

Comentários

  1. Que relato lindo! Após tanta tensão, fazer este encontro de "gentes' revigora o Espírito. Sem raiva, sem ódio, com sorrisos, abraços, muitos, muitos beijos... E desejando a manutenção das conquistas democráticas tão caras a nós! Não sabemos o que vai dar disso tudo. Mas importa é ver que, para além do massacre midiatico, tem gente que consegue enxergar que não podemos abrir mão das liberdades democráticas. Bom demais!

    ResponderExcluir
  2. Que relato lindo! Após tanta tensão, fazer este encontro de "gentes' revigora o Espírito. Sem raiva, sem ódio, com sorrisos, abraços, muitos, muitos beijos... E desejando a manutenção das conquistas democráticas tão caras a nós! Não sabemos o que vai dar disso tudo. Mas importa é ver que, para além do massacre midiatico, tem gente que consegue enxergar que não podemos abrir mão das liberdades democráticas. Bom demais!

    ResponderExcluir
  3. Que relato lindo! Após tanta tensão, fazer este encontro de "gentes' revigora o Espírito. Sem raiva, sem ódio, com sorrisos, abraços, muitos, muitos beijos... E desejando a manutenção das conquistas democráticas tão caras a nós! Não sabemos o que vai dar disso tudo. Mas importa é ver que, para além do massacre midiatico, tem gente que consegue enxergar que não podemos abrir mão das liberdades democráticas. Bom demais!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da PUC Minas manifestam-se a favor das ocupações, contra PEC 55, reforma do ensino médio e escola sem partido

Mais um "milagre" do Papa Francisco?

Juristocracia que respaldou o golpe quer dar um novo golpe