Numa republiqueta em frangalhos, a esperança que vem dos jovens




Se não fosse trágico, seria cômico. O discurso oficial, velho e apodrecido, das instituições da república e da mídia oligopolizada tenta, a todo custo, propagandear uma pseudonormalidade enquanto o país pega fogo nas múltiplas reações contra um governo que não tem compromisso com o povo e o estado de direito e seus aliados no Congresso e no Judiciário.

Mais de 1100 instituições de ensino ocupadas; greves; uma estrondosa indignação contra os usurpadores nas redes sociais; uma população que se afasta da velha política e não cansa de mandar recados aos sabujos do dinheiro e do poder. E tudo parece normal: a mídia nativa pauta a "torta de berinjela" enquanto "la nave va".

O presidente-usurpador, esse vampiro à brasileira, tripudia dos trabalhadores e do povo, dentro do Palácio do Planalto, para o gozo dos perversos que sustentam a coalização golpista. Como escreveu recentemente o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, “quando autoridades se comportam como moleques, como moleques serão tratadas. Se adotarem discurso e comportamento de botequim, não poderão se queixar quando começarem a voar garrafas e sopapos.” Referia-se aos magistrados prepotentes; mas o recado vale também para presidentes e parlamentares.

Mas, voltemos nossa atenção para o executivo federal: um ajuntamento de interesseiros, com as calças às mãos, borradas, sem saber o que ocorrerá no  day after caso Odebrecht ou Cunha resolvam abrir o bico.

Agora, miremos o Congresso: uma turba, salvo exceções, de bandidos da pior qualidade.

Restaria, então, algum consolo se, pelo menos, tivéssemos um judiciário íntegro. Mas, no que se transformou o STF? Numa corte sem moral; de ególatras que não respeitam a Constituição, nem o Estado de Direito. Um ajuntamento de pedantes que só se preocupam com seus egos e seus umbigos.

O golpe transformou o Brasil numa republiqueta das bananas. Quanto Temer vai ao exterior, é tratado com desdém e todos se afastam do impostor nas fotos oficiais. Uma vergonha monumental. Mas, a maior piada nacional é o mantra midiático-caquético-institucional segundo o qual “as instituições estão funcionando”.

O governo não tem legitimidade; o Parlamento, idem. E, sejamos francos: o Judiciário não pode virar um monstro perverso, maior do que já é. A juristocracia é o pior dos mundos.

Nossa esperança vem da rapaziada que dá uma lições de cidadania, inclusive para os professores: são nas ocupações e nos movimentos sociais onde se aprende o que é política, porque nosso sistema educacional se omite nesse quesito. E é por isso que a direita fascista fala tanto em “escola sem partido”.

Ainda bem que para compensar a musa destrambelhada do impeachment, aquela advogada ensandecida do establishment acadêmico, há muitas Anas Júlias que, enfrentando os velhos políticos incrustados na Assembleia Legislativa do Paraná, a república tirânica de Moro, disse em alto e bom som: É um insulto a nós que estamos lá [nas ocupações das escolas], nos dedicando, procurando motivação todos os dias, a sermos chamados de doutrinados. É um insulto aos estudantes, é um insulto aos professores. A nossa dificuldade em conseguir formar um pensamento é muito maior do que a de vocês. Nós temos que ver tudo o que a mídia nos passa, fazer um processo de compreensão, de seleção, para daí conseguir ver do que a gente vai ser a favor e do que a gente vai ser contra. (...) Vocês estão aqui representando o Estado, e eu convido vocês a olharem a mão de vocês. A mão de vocês está suja com o sangue do Lucas. Não só do Lucas, mas de todos os adolescentes e estudantes que são vítimas disso.


É do novo, dos jovens politizados – que tanto amedrontam os velhos esquemas institucionais e seus operadores -, que virão as mudanças. 

Quem ainda confia nos caquéticos esquemas político-institucionais está fadado à desesperança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AJUDE-NOS A DIVULGAR E MOBILIZAR!

A globo, o Fora Temer e a democracia

VIOLÊNCIA, EXCLUSÃO, SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E AÇÃO DO ESTADO