"O rio é doce. A Vale? Amarga"

Poema de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1984, é atual. Apesar de se tratar de outro contexto (a questão das dívidas interna, externa, eterna), o poeta itabirano já lamentava a ação extrativista das empresas mineradoras que, há séculos, destroem a paisagem mineira.

"QUANTAS LÁGRIMAS DISFARÇAMOS SEM BERRO?"



Comentários

  1. ESTA LAMA É AVASSALADORA! DESTRÓI VIDAS, SOTERRA E MATA SONHOS.
    A OUTRA, GERADORA DESTA, É BEM PIOR E SEGUE SEU CURSO... ATÉ QUANDO?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da PUC Minas manifestam-se a favor das ocupações, contra PEC 55, reforma do ensino médio e escola sem partido

Mais um "milagre" do Papa Francisco?

Juristocracia que respaldou o golpe quer dar um novo golpe